NOTÍCIAS & EVENTOS

23 de setembro de 2019 / Por / 0 Comentário

Qualidade do sprinkler certificado X Riscos ao sair da fábrica

A intenção deste post é expor como as etapas posteriores à saída do sprinkler certificado da fabricação são atividades complementares importantes para garantir a condição de confiabilidade no equipamento.

ARTIGO_Qualid spk certificado x riscos ate a chagada a obra

Definindo o problema

O contexto que envolve o ciclo entre a fabricação e a instalação do sprinkler envolve etapas distintas, cada qual com sua relevância. É possível que os ensaios destinados à simulação de situações diversas, somado com as dezenas de processos de controle de qualidade ao longo da fabricação, não garantam integralmente o sprinkler contra possíveis negligências cometidas no transporte, armazenamento, manuseio, preparo para instalação e instalação propriamente dita.

A intenção deste post é expor como as etapas posteriores à saída do sprinkler certificado da fábricação são atividades complementares importantes para garantir a condição de confiabilidade no equipamento.

O que é um sprinkler com qualidade?

Primeiramente, é preciso definir: sprinkler com qualidade é aquele que ostenta as marcas de certificação de produto (UL, FM, ABNT, etc), o que significa possuir processo fabril auditado e certificado por organismos de terceira parte, é montado com a carga de fechamento adequada, que garante a qualidade visível e invisível, resultado da aprovação em todos os ensaios técnicos das Normas de referência, e possui garantia de operação e funcionamento, conforme projetado, mesmo após décadas de instalação.

Esta definição demonstra que o sprinkler com qualidade possui esta condição não somente porque ele teve um lote de amostrasa provado nos ensaios de certificação, mas também pelo fato de possuir um processo fabril totalmente certificado. Estas duas etapas, certificação do produto e do processo produtivo, definem um “formato” de certificação conhecido mundialmente como modelo 5.

Qual a condição que um sprinkler com qualidade sai da fábrica?

Uma vez que o processo de fabricação do sprinkler seja certificado, são definidos vários pontos de aferição e teste ao longo de cada uma das etapas; esses pontos de checagem garantem que o resultado final será a fabricação de sprinklers com qualidade atestada. Somando cada atividade – que chamaremos de processo– executada ao longo das etapas de fabricação do sprinkler certificado, chegamos a aproximadamente 150 processos, sendo 20% de processos fabris e, pasme, 80% de processos de controle de qualidade.

Todos esses processos de controle de qualidade, cerca de 120, somados aos processos padronizados de fabricação, cerca de 30, atribuem ao sprinkler a condição de produto confiável que operará e funcionará mesmo após décadas de instalação.

NOTA: Cabe ressaltar que quando tratamos os termos “operará” e “funcionará” separadamente, não incorremos em redundância, ao contrário, queremos expor a seguinte distinção:

eBook: Sprinklers: O guia essencial
  • operará – quer dizer que o sprinkler ativará o ampola de vidro na temperatura correta e destampará o orifício de descarga da água sem alojamento de qualquer peça móvel (obturador ou elemento de vedação);
  • funcionará – indica que o sprinkler distribuirá corretamente a água sobre a área protegida e na vazão desejada, uma vez que a pressão hidráulica esteja compatível com o valor definido no projeto da instalação.

Riscos entre a fábrica e a instalação

Ao completar todas as etapas do processo fabril – fabricação + controle de qualidade – o sprinkler será submetido a outras importantes etapas: transporte até a obra, armazenamento, manuseio, instalação, etc. Não é à toa que seis dos dezessete ensaios do processo de certificação são destinados a simular as condições de resistência dos materiais e têm o objetivo de garantir que o sprinkler suportará satisfatoriamente eventuais problemas em algumas dessas etapas.

O fato é que mesmo com esse rigoroso procedimento antes do envio do produto ao mercado, apesar da comprovada resistência, existe a possibilidade de problemas ocasionados situações de excesso ao longo dessas outras etapas, que poderão interferir diretamente no sprinkler. Dentre as situações de excesso, destacamos:

a) Ativação indevida do sprinkler por exposição a fontes de calor – ocorre quando o sprinkler é exposto a temperatura acima de sua temperatura nominal, ao longo do transporte ou até mesmo no armazenamento no local da obra. Para evitar este problema o sprinkler não deve ser transportado ou armazenado em locais sob a influência direta do sol ou de outras fontes de calor. Apesar da gravidade, este tipo de ocorrência é pouco comum.

01

02

b) Queda do sprinkler ou da embalagem contendo os sprinklers de alturas elevadas, por exemplo, a altura de instalação do sprinkler. Especialmente se o sprinkler cair sobre superfície irregular, possibilitando o impacto direto no bulbo de vidro do equipamento.Apesar da gravidade, este tipo de ocorrência é pouco comum;

c) Queda de objetos sobre os sprinklers ou sobre a embalagem dos mesmos, tais como: ferramentas, peças metálicas, escada de obra, materiais variados armazenados no almoxarifado da obra, etc. Ocorrência pouco comum;

03

d) Instalação com ferramentas inadequada, como: chave de grifo, alicate de pressão, alicate bomba d’água, etc. Ocorrência muito frequente, como demonstram as fotos abaixo;

e) Aplicação de força de torque excessiva no próprio sextavado de instalação ou até mesmo em locais indevidos, tais como: braços e obturador. O excesso de torque também pode ocorrer através da utilização de canos de prolongamento da alavanca da chave de instalação. A danificação do sprinkler em função da aplicação de força excessiva no ato da instalação é bastante frequente;

04

05

Mesmo em ocorrências com um certo grau de severidade, como as registradas acima, foi possível constatar através de ensaios laboratoriais que o sprinkler, apesar da aparência frágil, é um dispositivo muito resistente. Contudo, não se pode negligenciar o correto transporte, armazenamento, manuseio e instalação,para que sua eficácia em médio e longo prazos seja garantida.

NOTA: Caso ocorra alguma das situações extremas descritas acima, recomendamos que seja considerado o descarte do sprinkler, pois tais situações abrirão precedente para problemas, muitas vezes, imperceptíveis ao olho nu, especialmente no bulbo de vidro e no sistema de vedação do sprinkler. O descarte, nesses casos, visa eliminar possíveis ocorrências futuras, que são indesejáveis e imprevisíveis. Se compararmos o custo de um sprinkler novo com o risco de instalar um equipamento comprometido por negligência, chegaremos à conclusão que não vale a pena correr o risco.

Conclusão

O processo de fabricação monitorado integralmente pelos processos de controle de qualidade atribui ao sprinkler certificado um grau elevadíssimo de resistência e confiança, fazendo com que o mesmo saia da fábrica em plena condição de operação e funcionamento. Contudo, mesmo que os ensaios de certificação simulem situações as quais o produto poderá ser exposto, é de extrema importância que nenhuma das etapas posteriores à saída da fábrica sejam negligenciadas, para que segarantam as atribuições de qualidade do sprinkler certificado, independentemente do tempo de instalação.

No próximo post abordaremos mais questões ligadas à instalação do sprinkler: preparo da peça, aperto necessário e demais dicas.

Fique atento e até lá!

eBook: Sprinklers: O guia essencial
Compartilhe:

Deixe um comentário

BNDES
Reliable
ABNT
ABSpk
FM
UL
Assine nossa Newsletter: